04/02/10

Sobre equalizadores

Bom, todo mundo que gosta de gravar seus trabalhos em casa já deve ter brincado com um equalizador. Todos os DAW que eu conheço possuem pelo menos um. O que eu mais utilizo é o Adobe Audition, que possui diversos tipos de equalizadores. Gráficos, paramétricos, de 10, 20 e 31 bandas… É uma infinidade de possibilidades.

O Equalizador é uma ferramenta muito interessante. Além de corrigir deficiências do ambiente em que o audio foi gravado, pode-se utilizá-lo para criar efeitos como voz de telefone, som de rádio de pilha, som abafado por um travesseiro, enfim…

O legal desta ferramenta no Adobe Audition e (acredito eu) na maior parte dos outros DAW, é que vc pode brincar com ele enquanto deixa um audio tocando em Loop.

Bom, meu intuito com este post é mostrar alguns exemplos utilizando equalizador, mostrando a atuação dele em algumas frequencias. Vou utilizar como base o texto do site “Som Ao Vivo” (SomAoVivo.mus.br – Equalizadores).

::Frequencias::

Tomando como base de estudos o texto do site citado acima, vamos analisar os efeitos de regiões de frequencias na voz. O microfone utilizado foi o MXL 990. O equalizador que utilizei é o gráfico de 31 bandas do Adobe Audition (no “Efects Rack“, é o “Filters and Eq > Graphic Equalizer“). Nas frequencias utilizadas nos exemplos eu dei um boost de algo em torno de 12 dB. O audio original é esse abaixo:

Audio Original

Vamos então analizar os grupos de frequencia:

  • Frequencias graves profundos e subgraves – de <31 Hz à 63 Hz.

São frequencias perigosíssimas! Somente falantes especiais p/ reprodução de graves conseguem reproduzir frequencias até 40 Hz, sem correr o risco de estourar. É o campo de frequencias fundamentais de instrumentos graves, como o bumbo da batera e o contrabaixo. O excesso dessas frequencias embola o som, tira a definição e a clareza da música. A frequencia de 63 Hz é a mesma da energia elétrica. Reduzir essa frequencia pode acabar com aquele “Hum” proveniente de ligação elétrica. Nessa faixa de frequencia quase não acontece mudança na voz. Poucas caixas e fones conseguem reproduzir essas frequencias.
Exemplo 1:

  • Frequencias graves – de 80 Hz à 125 Hz.

Responsável pela sensação de poder na voz masculina. Som pesado, gordo. São frequencias fundamentais de alguns tambores e tipos de percussão. Em excesso, produzem um excessivo “bum” no audio. A frequencia de 250 Hz também diminui o “hum” da frequencia elétrica, por ser sua primeira harmônica.
Exemplo 2:

  • Frequencias médio-graves – de 160 Hz à 250 Hz.

São as frequencias fundamentais do surdo e dos toms da bateria e da voz. Destaco aqui esse texto por que são a base do tema desse blog, que é gravação caseira de bateria, e também o que procuram bastante que é gravar voz. Também em excesso produz um excessivo “bum” no audio. Em excesso, deixam o som com características de som cavernoso, embolado. É a área mais crítica em salas com acústica ruim.
Exemplo 3:

  • Frequencias médias – de 315 Hz à 500 Hz.

São as frequencias fundamentais dos instrumentos de cordas e importantes p/ a qualidade de voz. O excesso nessas frequencias deixa o som “oco”, “fanho”.
Exemplo 4:

  • Frequencias médias – de 630 Hz à  1 kHz.

São frequencias fundamentais do teclado e de instrumentos de corda. Também são importantes para a naturalidade da voz. Em excesso, deixa o som como se estivesse saindo de uma corneta, a voz saindo de um radio de pilha (principalmente as frequencias mais próximas de 1kHz).
Exemplo 5:

  • Frequencias médio-agudas – de 1.25 kHz à 4 kHz.

Principal região dos instrmentos de corda, teclado, metais e percussão. Muita enfase aqui pode fazer com que os instrmentos soem como lata (principalmente entre 1kHz e 2kHz). É a área importante para a inteligibilidade da fala (clareza e definição da fala). Excesso entre 2kHz e 4kHz faz com que o “m”, “v” e “b” fiquem indefinidos. Qualquer excesso nessa região causa fadiga auditiva!
Exemplo 6:

  • Frequencias agudas – de 5 kHz à 8 kHz.

Aqui temos as frequencias reponsaveis pela distancia e transparencia com que tudo soa.Redução nessa área pode aumentar a inteligibilidade, e reduzir chiados do sistema. A região de frequencias entre 1.25 kHz e 8 kHz é a mais importante, responsavel pela clareza do que ouvimos. Aqui podemos acentuar a voz. Um uso interessante dessa regição de frequencias é abaixar essa região p/ a música e aumentar p/ a voz, levando-se em conta de que utilizamos um equalizador só p/ a banda e um só p/ a voz.
Exemplo 7:

  • Frequencias agudas – de 10 kHz à 16 kHz.

Também é possível reduzir chiados do sistema nessa região. Responsável pelo brilho dos metais. Na voz, muita enfase causa sibilância. Em locais fechados convêm reduzir essa região gradativamente, para reproduzir a resposta normal de um ambiente.
Exemplo 8:

  • Frequencias agudas – acima de 16 kHz.

Aqui, tanto aumentar quanto diminuir quase não faz nenhuma diferença. Isso ocorre por que quase ninguem consegue ouvir essa faixa de frequencia. O ouvido humano tem capacidade para escutar entre 20 Hz e 20 kHz.

——————

Bom, equalizar requer treino auditivo e muita experimentação. Confie sempre nos seus ouvidos!
Procure ter bons fones e bons monitores. Uma sala acusticamente tratada também é importante para se obter uma boa qualidade sonora utilizando os equalizadores.

Enjoy!
Qualquer dúvida ou sugestão, já sabem onde me encontrar. Abraços!

Tags:, , ,

Artigos relacionados

Comentários

  1. Pingback: Direct Box: O que é? Pra que serve? Tudo Sobre Direct Insert Box

  2. Querido Anônonimo, (rsrs)
    Muito obrigado por comentar! Qualquer empreendimento que fazemos na vida é assim mesmo: erramos e erramos e aprendemos com nossos erros!

    Se sua intenção é gravar guitarra & voz, esse MXL 990 pra voz é ótimo, e p/ o amp. da guitarra, eu aconselho a investir mesmo em um Shure SM57, ou então o MXL 991, que vem no kit da MXL (990 e 991). Só que como o 991 é condensador, será necessário um pouco mais de cuidado na captação.

    Tem uma galera que manda e-mail pra mim tirando dúvidas, e eu respondo a todos o mais rapido possivel! Caso tenha alguma dúvida, não fique com vergonha de perguntar! rsrsr

    Um grande abraço!
    Michael Nascimento

  3. Querido Anônonimo, (rsrs)
    Muito obrigado por comentar! Qualquer empreendimento que fazemos na vida é assim mesmo: erramos e erramos e aprendemos com nossos erros!

    Se sua intenção é gravar guitarra & voz, esse MXL 990 pra voz é ótimo, e p/ o amp. da guitarra, eu aconselho a investir mesmo em um Shure SM57, ou então o MXL 991, que vem no kit da MXL (990 e 991). Só que como o 991 é condensador, será necessário um pouco mais de cuidado na captação.

    Tem uma galera que manda e-mail pra mim tirando dúvidas, e eu respondo a todos o mais rapido possivel! Caso tenha alguma dúvida, não fique com vergonha de perguntar! rsrsr

    Um grande abraço!
    Michael Nascimento

  4. opa. parabens pelo blog cara, MUITO LEGAL.
    sou iniciante tb na gravação mas já fui guitarrista profissional por um tempo. então cometi o erro de comprar muito instrumentos, amplificadores e pedais do que investir em microfones e etc.
    agora comecei a comprar minhas coisas e devagar, devagar estou cominhando. comprei interface, mesa e um mic porcaria (lesson SM58, outro erro que cometi) e estou juntando $$ agora para comprar esse MXL990 se JAH quiser hehehe. muito legal esse post sobre equalizadores. apartir de hoje vou acompanhar os seus tópicos.

  5. opa. parabens pelo blog cara, MUITO LEGAL.
    sou iniciante tb na gravação mas já fui guitarrista profissional por um tempo. então cometi o erro de comprar muito instrumentos, amplificadores e pedais do que investir em microfones e etc.
    agora comecei a comprar minhas coisas e devagar, devagar estou cominhando. comprei interface, mesa e um mic porcaria (lesson SM58, outro erro que cometi) e estou juntando $$ agora para comprar esse MXL990 se JAH quiser hehehe. muito legal esse post sobre equalizadores. apartir de hoje vou acompanhar os seus tópicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *